terça-feira, 14 de julho de 2020

Intencional

Desacreditar a mídia tradicional
É intencional.
Faz parte de um processo
Tático e estratégico
De manipulação das mentes
Por meio das Mídias Digitais.



Goebels vive nas Mídias Digitais

A estratégia de destruir a credibilidade dos meios de comunicação tradicionais não é algo novo. Joseph Goebels já o fazia com habilidade sem igual. Tanto que, para desacreditar a “mídia tradicional”, bancou o filme “O triunfo da vontade”, da cineasta Leni Riefenstahl. O filme estreou em 1935. O documentário retrata o “6° Congresso do Partido Nazista”, que se realizou na cidade de Nuremberg, em 1934. Na plateia, mais de 30 mil simpatizantes do Nazismo. Por que não ficar só nas mídias tradicionais? Estratégia de comunicação. Para poder “mostrar” a grandiosidade do evento e do partido. Hoje, nos Estados Unidos da América (EUA) e no Brasil se faz o mesmo: meios de comunicação tradicionais passam a ser atacados com o único fim de as pessoas optarem por se informar em “blogs”, memes e fakenews. Tem funcionado. Funcionará sempre? Espera-se que não! Ainda é possível acordar para o processo de manipulação escancarado que houve antes e há agora. Antes, quando a Rede Globo, por exemplo, destruiu Lula, o PT e o Brasil (muito mais que o PT) era idolatrada. Hoje, faz o mesmo com o presidente, mas, tornou-se vilã. Pesos e medidas que deveriam ser melhor analisados. Porque o que se tem hoje, são estratégias usadas por Goebels na Alemanha. Lá passou! Aqui, como como nos EUA, um dia passará!

Visite também o Blog de Educação do professor Gilson Monteiro e o Blog Gilson Monteiro  Em Toques. Ou encontre-me no www.linkedin.com e no www.facebook.com/GilsonMonteiro.


segunda-feira, 13 de julho de 2020

Endireitado

Jornalismo endireitado
Ou entortado de vez
Esqueça o seu passado
E tudo aquilo que fez.
Nem direita, nem esquerda
Se for radical demais
Muito menos o centrão
É a melhor opção.
O ideal mesmo seria
A vida em calmaria
E o político, na política
Jornalista, só jornalista.



O jornalismo de Manaus endireitado

Sou de um tempo em que assumir “ser jornalista de direita” era algo praticamente impossível. Aliás, durante um bom tempo, “ser de direita” era praticamente impossível alguém assumir. Hoje, por mais que pareça contraditório, vindo da minha parte, vejo, com exageros em alguns casos, que é saudável. Ninguém poderia imaginar um “mundo melhor” só com os esquerdistas radicais e os direitistas reacionários. Reacionários, de esquerda ou de direita, fazem mal ao mundo. Hoje, porém, tivesse a cesso a uma lista de possíveis candidatos, que só possuem partidos de direita. Houve um “endireitamento” dos jornalistas de Manaus de Manaus ou já o eram e passaram a ter coragem de assumir? Possivelmente, a chegada de Wilson Lima (PSL) ao governo do Amazonas teve ter atraído mais pessoas da área dispostas a arriscar uma candidatura.

Visite também o Blog de Educação do professor Gilson Monteiro e o Blog Gilson Monteiro  Em Toques. Ou encontre-me no www.linkedin.com e no www.facebook.com/GilsonMonteiro.


domingo, 12 de julho de 2020

Transformação

Ser livre
É respeitar
O direito de se errar
Enquanto se vive.
Viva para errar
Ao tentar acertar
Eis a maior lição
Da nossa transformação.



Respeitar é deixar livre

Vivemos um momento político e sanitário que vale a pena refletir sobre o verbo “respeitar”. Se o auxílio dos dicionários, tenho a minha própria significação para respeitar, forjada ao longo do tempo. E, deixo claro, nem sempre o pratiquei como enxergo agora. Mas, o ato de respeitar não significa, apenas, “aceitar”. Nem temos o dever de aceitar ou não o direito de o outro ser diferente. É preciso respeitar as diferenças reconhecidas, isso sim. Temos várias formas de respeitar as diferenças sem que as aceite. Deixar livre é uma delas. Não bombardear contra é outra. Respeite-se e respeite! Talvez seja um modo transformar o mundo para melhor.

Visite também o Blog de Educação do professor Gilson Monteiro e o Blog Gilson Monteiro  Em Toques. Ou encontre-me no www.linkedin.com e no www.facebook.com/GilsonMonteiro.


sábado, 11 de julho de 2020

Destruída

República destruída
Poder paralelo
É parte da vida,
Desfazer os elos.
Coisas vencidas
Ou manipuladas
Sendo conduzidas
Sem serem fiscalizadas.
Um poder total
Em meio à República
Fora do normal
Que gente maluca.