segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Rotos


Nem sempre nos avaliamos
Como avaliamos os outros
Quando nos julgamos
Fazemos julgamentos rotos.
Como rotas são aas imprecisas
Avaliações que fazemos a sós
Teríamos muito mais queridas
E justas se fossemos mais nós.
Nós os professores e professoras
Com a participação dos estudantes
Poderíamos ter coisas boas
Muito melhores que antes.
Olhar nos rostos, discutir problemas
Para se chegar a melhores temas
Deve ser a melhor forma de avaliar
Para que todos venha a ganhar.

Visite também o Blog de Educação do professor Gilson Monteiro e o Blog Gilson Monteiro Em Toques. Ou encontre-me no www.linkedin.com e no www.facebook.com/GilsonMonteiro.

O ato de avaliar a avaliação


Nem sempre se pratica o ato de avaliar a avaliação. Talvez este seja o caminho para o crescimento. Tanto dos estudantes quanto dos professores e professoras. Quando se avalia apropria avaliação, se tem chance de crescer coletivamente. Os modos de avaliar se transformam. Assim, também é possível transformar a troca dos saberes. O crescimento de professores, professoras e estudantes promove o crescimento da Educação. Se assim procedermos, temos como fazer uma revolução, digamos, silenciosa. Tentemos avançar no processo. É nosso dever de educadores.

Visite também o Blog de Educação do professor Gilson Monteiro e o Blog Gilson Monteiro Em Toques. Ou encontre-me no www.linkedin.com e no www.facebook.com/GilsonMonteiro.

domingo, 9 de dezembro de 2018

No forno


Talvez tenhamos de esquecer
A dor que nos fizeram sofrer
E o modo que nos trataram
Quando nos atacaram.
Conviver com contrários
Liberais e arbitrários
É um fraterno exercício
Como se largar um vício.
Por isso, viciadamente
Tire o ódio da mente
As pessoas não são eternas
E pode até ser fraternas.
Se fraternos formos
Em nosso comportamento
Deixemos apenas no forno
Sem nenhum julgamento.

Visite também o Blog de Educação do professor Gilson Monteiro e o Blog Gilson Monteiro Em Toques. Ou encontre-me no www.linkedin.com e no www.facebook.com/GilsonMonteiro.